segunda-feira, 2 de outubro de 2017

“ESSA RELAÇÃO AINDA VAI TERMINAR MAL. FELIZ SE NÃO RESULTAR EM CADEIA”, DIZ EX-VEREADOR SOBRE A ALIANÇA ENTRE O PREFEITO DE COELHO NETO – MA E O PRESIDENTE DO SINDICATO DOS PAPELEIROS.

A previsão, até certo ponto macabra, é do ex-vereador Edivaldo Alves da Silva. Ao tomar conhecimento da esdrúxula relação política entre o sindicalista Mariano Crateús e o atual prefeito de Coelho Neto – MA Américo de Sousa, em torno da possível aliança dos dois no ramo imobiliário, ele afirma que isso cheira a maracutaia.

Foto: Reprodução

Segundo Edivaldo Alves – Val/REDE, durante o período de 2008/2012, quando Mariano Crateús presidia a Câmara e Américo de Sousa/PT era o 1º Secretário da Mesa Diretora, essa relação rendeu enorme prejuízo para os cofres do Legislativo. “A farra era feita sobre os combustíveis. Mariano passava cheques de suposto consumo mensal para Américo assinar, mas ele só assinava depois que visse liberadas diárias para engrossar seu contracheque. Dessa forma, os dois engordavam suas contas bancárias com o dinheiro público”, afirmou.

Segundo Val, Américo não hesitou em contribuir para que o nome de Mariano Crateús entrasse para no rol dos “fichas-sujas”: “O Américo assinou os cheques para o Mariano, mas na hora de assinar a prestação de contas ele se esquivou. Quem assinou foi a Lú que era a segunda secretária da Mesa. Por isso que as prestações de contas do Mariano foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado – TCE e ele (Mariano) não pode mais ser candidato, detonou.


O ex-vereador, que já tem contra si um amontoado de processos na justiça local, impetrados por Américo de Sousa, disse que vai continuar denunciando no MPE e na imprensa o que chamou de despropósitos do prefeito e seu grupo político. “Se isso vai trazer resultado bom ou ruim para Coelho Neto, só o tempo dirá. Tenho isto como missão cidadã, e não vou fugir dela... jamais”, finalizou Val.

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DE COELHO NETO - MA PODE SER DADO COMO GARANTIA JUNTO À CEF

O prefeito de Coelho Neto – MA Américo de Sousa (PT), o sindicalista Mariano Crateús e o deputado federal Zé Carlos (PT) estariam adjuntos no interesse de construir casas populares para vende-las exclusivamente a servidores do município.


Foto: Reprodução


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
 Recentemente, Mariano Crateús divulgou no blog oficial do governo municipal uma decisão da justiça do trabalho, do dia 31 de agosto deste ano, tornando intransferível o patrimônio do Grupo João Santos. A publicação sugeria que, inclusive a pretensão de vender as casas da Vila Pimenteiras, não poderia ser levada a termo.

O curioso é que a decisão proferida em 31 de agosto só foi divulgada pelo sindicalista no final de setembro!

A verdade é que essa insensata decisão judicial frustrou o sonho de muita gente em adquirir um imóvel a preço accessível.

O blog obteve a informação de que o interesse de Mariano Crateús, que é um dos maiores latifundiários urbanos de Coelho Neto, é entrar para o ramo imobiliário ao lado de Américo e Zé Carlos, este último conhecido como “Zé da Caixa”, devido a sua influência junto àquele órgão.

O esquema:

O banco oficial para financiamento das casas seria a Caixa Econômica Federal. O “filé” seriam servidores públicos. O Instituto de Previdência (antigo FAPEM), a garantia junto à Caixa. Desta forma, estaria configurado um projeto, aparentemente legal, para enriquecimento com o dinheiro público em detrimento do endividamento ainda maior do tão sacrificado servidor.

Um professor, que não quis se identificar, disse ao blog que dentro em breve as concessionárias estarão chegando na cidade para levar veículos financiados aos servidores. Isto porque, segundo o professor, devido ao corte nas vantagens a que têm direito, muitos não puderam pagar as parcelas mensais.


Num momento de reflexão, a fonte comentou que “a trempe”, sabendo desse endividamento dos servidores, planejou colocar o patrimônio financeiro do Instituto de Previdência do município como garantia junto à Caixa.

Denúncias assim estão se amontoando na promotoria local. A sociedade ainda espera ampla investigação de fatos dessa natureza. Estamos de olho!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

PREFEITO PRETENDE CONSTRUIR CASAS E VENDÊ-LAS PARA SERVIDORES

Cada dia que se passa os bastidores do governo municipal de Coelho Neto - MA apresentam novas e inacreditáveis surpresas. O blog foi informado de que o chefe do Poder Executivo local estaria se preparando para entrar no ramo imobiliário.
Vista parcial do terreno onde o prefeito pretende construir casas populares
A sua entrada neste que é um dos ramos empresariais do Brasil que mais cresceu em 2017 se daria a partir da construção de unidades residenciais em um terreno localizado no Bairro Subestação, para onde já existe um loteamento legalizado.

No entanto, para que esse projeto pessoal do prefeito seja levado a termo precisa que o terreno seja repassado em cartório para uma Construtora. Segundo as informações, todas as providências com relação à burocracia já estariam resolvidas.

Segundo a fonte, a intenção seria vender essas unidades residenciais para alguns servidores públicos, através de um banco da cidade, cuja transação se daria da seguinte forma: o banco pagaria à empresa o valor de cada unidade residencial, à vista, e financiaria as casas para os servidores em parcelas mensais.

Diante de tão arguta pretensão, presume-se que a relação financeira entre os autores intelectuais do projeto se daria através de um provável caixa dois num futuro bem próximo.


Enquanto os contracheques dos servidores são “a menina-dos-olhos do prefeito”, esses sacrificados trabalhadores esperam que ele se disponha a liberar os consignados através do banco oficial da categoria. 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

EX-VEREADOR DENUNCIA AGENTES PÚBLICOS E SINDICALISTA AO MPE.

Na denúncia o ex-parlamentar pede investigação sobre eventuais atos de improbidade cometidos por agentes públicos municipais, incluindo membros do governo atual, um ex-prefeito e ex-presidente de sindicato.


O ex-vereador do município de Coelho Neto – MA, Edivaldo Alves da Silva – Val/REDE, encabeçou denúncia por escrito ao Ministério Público Estadual – MPE em que pede rigorosa investigação sobre a atuação supostamente duvidosa envolvendo o atual prefeito Américo de Sousa/PT, o Secretário de Meio Ambiente da prefeitura Gabriel Delano, o assessor municipal Luís Carlos Furtado, o vereador Wilson Vaz/PT do B, o ex-prefeito Waltenir Lopes e o atual vice-prefeito e ex-presidente do Sindicato Rural Antônio Pires de Oliveira/PC do B.
Edivaldo Alves foi pessoalmente à promotoria de justiça da Comarca onde protocolou a denúncia. “Não estou aqui para perseguir ninguém, meu caro blogueiro. Eu só quero a verdade”, disse o ex-vereador.

Ele acrescentou que o município está sofrendo as consequências de gestores mal-intencionados, há anos, os quais, segundo ele, vêm se utilizando dos recursos municipais e da máquina administrativa em benefício próprio e em detrimento do que chamou de sofrimento do povo. “É só você chegar nos postos de saúde, na UPA, nas escolas e na periferia que você vai ter a noção do sofrimento dessa gente. Você não vê parentes de prefeito, de vereador ou de secretário, não! Você vai ver é gente pobre, desamparada, dependendo da vontade de quem não a tem. E o dinheiro, cadê?”, questionou de forma solidária o ex-vereador.

Caso o MPE pondere, a denúncia encabeçada pelo ex-vereador contra representantes sindicais deverá ser encaminhada ao MPF vez que se trata de suposta fraude contra a previdência.


Confira a íntegra da denúncia:

Coelho Neto (MA), 27 de setembro de 2017.

À
EXMA. SRA. DRA. ELISETE PEREIRA DA SILVA
PROMOTORA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE COELHO NETO – MA
NESTA.

Senhora Promotora,

Considerando os fatos estarrecedores, veiculados na internet, envolvendo autoridades publicas e representantes sindicais do município de Coelho Neto, vimos por este meio inteirar esse douto Ministério Público Estadual das publicações que a nosso ver exigem investigação e exemplar punição aos culpados. Quais sejam:

Denúncias envolvendo entes públicos:

1. Utilização de máquinas e veículos da Prefeitura por agentes do governo municipal em benefício próprio, conforme as fotos em anexo:
Foto 01 – Caminhão Basculante do PAC sendo utilizado em obras do Sindicato dos Professores (SINTASP-MCN);



Fotos 02, 03, 04 e 05 – Nivelamento de um terreno pertencente ao vereador Wilson Vaz/PT do B, integrante da base governista, à Rua Principal, s/n, Bairro Olhodaguinha;

 














Fotos 06 e 07 – Caminhão Basculante do PAC entregando material de construção na casa do Secretário Municipal de Meio Ambiente, Sr. Gabriel Delano;





Foto 08 – Aterro e nivelamento de um terreno, pertencente ao assessor da Secretaria de Meio Ambiente, Luís Carlos Furtado, à Rua Tonico Couto, em frente o Cemitério São Judas Tadeu, ao lado do Motel Eclipse, de propriedade do mesmo; 

2. No nosso entender, também carece de investigação a construção de um poço artesiano na propriedade Lagoa dos Cavalos, em 2014, pelo então prefeito de Coelho Neto Soliney de Sousa e Silva. Segundo queixas dos moradores, o referido poço foi construído com recursos públicos, há 50 metros do poço que abastecia a comunidade, o que prejudicou a vasão deste. Por outro lado, o atual vice-prefeito de Coelho Neto Antonio Pires de Oliveira se diz proprietário do poço construído pelo ex-prefeito, e o mantém em funcionamento utilizando o chamado um “gato” na rede elétrica da CEMAR. A foto em anexo não é do local, mas é da mesma perfuratriz, pertencente à empresa COHISA, que perfurou o referido poço;


3. Igualmente carente de investigação é a denúncia envolvendo o ex-prefeito de Coelho Neto Waltenir Lopes da Silva/PMDB, segundo a qual ele teria legislado em causa própria ao aforar para si, quando ainda era o prefeito, o terreno onde está construído o Hospital Casa de Saúde e Maternidade de Coelho Neto, à Av. Antonio Guimarães, s/n, Bairro Mutirão. Segundo as publicações, Waltenir Lopes já teria vendido parte da área. (Foto 10).

Denúncias envolvendo representantes sindicais:

Outras duas denúncias, igualmente graves, carentes de investigação, estão relacionadas à gestão do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Coelho Neto:

A primeira envolve diretamente a pessoa do ex-presidente do Sindicato Antonio Pires de Oliveira (atual vice-prefeito), e está relacionada aos milhares de cadastros de pequenos agricultores do município, realizados por ele e sua diretoria em 2015. Alegando que os cadastros seriam para o programa habitacional do governo federal, ele exigia a quitação de mensalidades devidas ao sindicato, sob pena de o agricultor não ser contemplado. Decorridos dois anos, os agricultores se queixam de que foram lesados por ele, pois até o momento nenhuma casa foi construída. Na época, muitos desses agricultores tiveram que vender bens pessoais para quitar o sindicato, na ilusão de que ganhariam uma casa digna; Na eleição do ano seguinte Antonio Pires foi reeleito vereador do município, sendo o mais votado;




A segunda, que requer a intervenção do Ministério Público Federal (MPF), está relacionada a pedidos de aposentadoria. Segundo comentários, os diretores do Sindicato Rural local estariam forjando documentos para aposentar trabalhadores urbanos como se fossem rurais e exigindo desses aposentados o valor do primeiro empréstimo consignado, que varia de R$ 3 mil a R$ 7 mil. 





Estamos ligados!

PREFEITURA DE COELHO NETO - MA E POLÍCIA MILITAR TENTAM COIBIR MANIFESTAÇÃO

Foto: Reprodução
Agentes da Prefeitura de Coelho Neto – MA e da Polícia Militar tentaram impedir que populares continuassem o protesto contra a gestão municipal.

O fato ocorreu no início da noite de ontem, 26, em trechos da Avenida Coelho Neto, à altura do Bairro Bonsucesso e Praça do Balão, quando os manifestantes pintavam novamente, na pista, a frase FORA AMÉRICO, considerada por eles uma logomarca contra o ostracismo da administração petista.

Foto: Val
Os manifestantes exigem a recuperação da sinalização horizontal da Avenida Coelho Neto, totalmente prejudicada pelo recapeamento grosseiro do asfalto.

Entre os manifestantes estava o ex-vereador Edivaldo Alves/VAL, o qual, naturalmente vem ganhando a confiança e liderando os movimentos oposicionistas no município. Foi dele a atitude de convencer os policiais militares de que o protesto estava ocorrendo pacificamente, sem perturbação da ordem pública e com base no direito constitucional. Isso permitiu a continuidade da manifestação.

O comando da operação policial ainda tentou convencer os moradores contra os manifestantes. Sem êxito.

O jornalista Vando Galvão, do portal Leste Maranhense, membro da diretoria da Associação dos Jornalistas da Macrorregião de Coelho Neto/AJAB, teve sua moto apreendida quando fazia a cobertura da manifestação. O ex-vereador Val teve que apresentar os documentos do veículo que dirigia e a CNH.

Foto: Reprodução
Outras informações dão conta que a prefeitura mandou apagar novamente a logomarca na pista, utilizando o carro-pipa para lavar as marcas da manifestação. 

terça-feira, 26 de setembro de 2017

POPULAÇÃO VOLTA A PEDIR A SAÍDA DO PREFEITO DE COELHO NETO - MA DEVIDO A FALTA DE INVESTIMENTOS NA INFRAESTRUTURA DA CIDADE

No último final de semana, a avenida que leva o nome da cidade voltou a registrar mais dois acidentes violentos com óbitos. As ondulações do asfalto e falta de sinalização estariam pondo em risco a vida de condutores e pedestres.
Foto: Reprodução
O problema é que a reforma das duas pistas é de péssima qualidade. A aplicação irregular do asfalto comprometeu a sinalização horizontal e deixou ondulações que comprometem a estabilidade de veículos e, consequentemente, põe em risco a vida de pedestres.

Apesar de a rodovia ser estadual, isso não tira a responsabilidade da prefeitura de proceder à sinalização, mesmo porque, a depender do governo do Estado, dificilmente essa sinalização seja recuperada.

A construção da Avenida Coelho Neto, em 2009, se deu com recursos do governo do Estado, mas a manutenção e a sinalização foram feitas com recursos próprios.
A sinalização anterior foi coberta pelo péssimo recapeamento da Avenida
O que tem deixado a população indignada, a ponto de pedir a saída do atual prefeito, é o fato de ele ter sido o maior crítico e denunciador da avenida antes, durante e depois da sua construção.

As inscrições deixadas por populares no asfalto com pedido de “FORA AMÉRICO” foram apagadas na manhã de hoje pelo carro-pipa da prefeitura.
Foto: Val
Na secretaria de obras e no gabinete do prefeito ninguém se apresenta para falar sobre a reforma da sinalização. Enquanto isso, novas vítimas vão entrando para as estatísticas de acidentes com morte fatal na cidade. 

Política: Pedido de prisão contra Aécio será analisado nesta terça no STF

Senador tucano é acusado pela Procuradoria-Geral da República de receber 2 milhões de reais em propinas pagas pelos executivos do Grupo J&F

Senador Aécio Neves (PSDB-MG) - 10/07/2013 (Pedro Ladeira/Folhapress)

Um recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo a prisão preventiva do senador Aécio Neves (PSDB-MG), no caso do pagamento de 2 milhões de reais pela J&F a pessoas ligadas ao tucano, deverá ser analisado nesta terça-feira pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).
Este é o terceiro pedido de prisão contra Aécio Neves feito pela PGR, ainda sob a gestão de Rodrigo Janot. A primeira discussão será sobre um pedido da defesa, que quer levar o julgamento ao plenário, sob a alegação de que o pedido de prisão contra senador é uma questão “da mais alta relevância e gravidade”. A última manifestação da PGR é a favor da análise na Primeira Turma, conforme o entendimento inicial do ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso. Se esta preliminar da defesa for rejeitada, começará o julgamento do pedido da PGR.
Alvo da Operação Patmos, realizada em maio para apurar fatos trazidos no acordo de colaboração de executivos do Grupo J&F, Aécio Neves ficou impedido de exercer atividades parlamentares por decisão do ministro Edson Fachin, relator do caso por mais de um mês. Após mudança de relatoria, em 30 de junho, Marco Aurélio Mello revogou a medida de Fachin e devolveu Aécio ao Senado. O tucano tem negado irregularidades.
A defesa afirma que “o senador Aécio Neves foi, na verdade, vítima de uma grande e criminosa armação engendrada pelos senhores Joesley Batista e Ricardo Saud em busca dos benefícios de uma generosa delação”. “A defesa do senador confia na manutenção das decisões anteriores porque estão alicerçadas no que diz a Constituição brasileira. O tempo e as provas que vêm vindo à tona demonstrarão quem são os verdadeiros delinquentes, que deverão responder por seus crimes”, disse o advogado Alberto Toron.
O julgamento do pedido de prisão havia sido pautado originalmente para 20 de junho. Durante a sessão, houve um adiamento diante de uma questão preliminar levantada pela defesa. O novo julgamento acontecerá três meses após este retardamento.

Denúncia

Enquanto não se conclui a análise dos recursos em relação ao caso Aécio Neves, a denúncia apresentada pela PGR contra o senador por corrupção passiva e obstrução de Justiça segue sem análise. O ministro Marco Aurélio Mello já explicou que só haverá notificação para a apresentação de defesa prévia após o encerramento da análise dos recursos, como o da PGR, que insiste na prisão do senador.
Aécio Neves foi acusado no dia 2 de junho pelo suposto recebimento de 2 milhões de reais em propina da JBS e por obstrução de Justiça por tentar impedir os avanços da Operação Lava Jato.
A irmã de Aécio, Andrea Neves, o primo Frederico Pacheco e o advogado Mendherson Souza Lima também foram denunciados, mas apenas por corrupção passiva. Os três foram presos na Operação Patmos, deflagrada em 18 de maio, e depois conseguiram o benefício de deixar a prisão. A denúncia contra eles foi remetida para análise na primeira instância, por decisão do ministro Marco Aurélio Mello.
Entre as acusações que pesam contra Aécio, no âmbito da delação dos empresários da J&F, está a gravação na qual o tucano pede 2 milhões de reais a Joesley Batista, um dos donos da JBS. Em uma conversa, o tucano solicita dinheiro ao empresário sob a justificativa de que precisava pagar despesas com sua defesa na Lava Jato.
A irmã de Aécio, Andrea Neves, teria feito o primeiro contato com o empresário. O tucano indicou seu primo Frederico para receber o dinheiro. Mendherson também teria participado. O dinheiro foi entregue pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos sete delatores. Ao todo, foram quatro entregas de 500 mil reais cada uma. Para a PGR, o dinheiro teria Aécio Neves como destinatário final.
(Com Estadão Conteúdo)